A falsa solução do Estado Palestino – Rui Polly

Palestina 02

O massacre contra a população palestina na Faixa de Gaza colocou mais uma vez em debate a solução dos dois Estados, com a formação de um Estado Palestino, ao lado do estado de Israel. Mas o que estamos presenciando mostra o contrário: que a proposta de criar um Estado palestino está longe de ser solução. Não passa de uma utopia diversionista. Disponibilizo um artigo que escrevi em 2009 e publicado na edição de julho do mesmo ano na Revista Revolutas, onde apresento argumentos contra a ilusão criada em torno da proposta de Obama e do governo norte-americano pela realização de negociações entre governos e organismos regionais e internacionais para a criação de um Estado palestino. (Rui Polly)

A FALSA SOLUÇÃO DO ESTADO PALESTINO
Em maio, Barack Obama, presidente dos EUA, defendeu em uma reunião com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, a proposta de criação de um Estado palestino. Declarou seu engajamento pessoal para concretizá-la. A ofensiva do governo norte-americano desde então tem surtido efeito. Além da União Européia, a Liga das Nações Árabes e a Autoridade Nacional Palestina (ANP) declararam seu apoio à proposta. Ismail Haniyeh, líder do governo do Hamas em Gaza, declarou que “se existe um projeto realista para resolver a causa palestina com o estabelecimento de um Estado nos territórios ocupados em 1967 e com plena soberania, apoiaremos”. E, finalmente, o próprio Netanyahu assumiu no mês de junho a possibilidade de construção de um Estado palestino.
Mas enquanto os palestinos exigem plena soberania, para Israel o Estado palestino deve ser desmilitarizado, sem controle do espaço aéreo, e proibido de estabelecer alianças com o Irã ou com o Hezbollah.
Apesar de posições tão antagônicas, o que não se pode negar é que Obama tem conseguido avançar na construção de um consenso em torno da proposta de criação de um Estado palestino, também conhecido como o princípio de “dois Estados para dois povos”. Consolidado o consenso, as negociações formais teriam início, até se chegar eventualmente a uma posição comum. Não é possível afirmar se os EUA conseguirão costurar o consenso para que as negociações tenham início. Em particular, precisarão convencer Israel de suspender a colonização na Cisjordânia. Mas o fato é que há uma forte ofensiva política articulada para que o processo de negociações tenha início.

Se isso ocorrer, independente dos desdobramentos seguintes, significará o abandono da proposta de um único Estado, laico e democrático, abrigando judeus e palestinos, que abrangesse o território integral da Palestina histórica. Consolidaria a mudança de posição que teve início no início dos anos 1990, quando a OLP decidiu participar das negociações que culminaram na assinatura do trágico Acordo de Oslo em 1993.

A quem serve a proposta

Mesmo assumindo a hipótese, altamente improvável, de que o estado palestino fosse criado no território anterior às anexações de 1967, ele surgiria em condições absolutamente desfavoráveis. Do ponto de vista econômico, dificilmente o novo Estado poderia desenvolver-se na escala e velocidade necessárias para garantir suas necessidades. Já Israel conta com uma economia estruturada, além dos subsídios fornecidos pelos seus aliados norte-americanos que foram cruciais para a sua existência.

No plano militar, a correlação de forças não seria muito diferente da atual, pois além de Israel ser uma das maiores potências militares do mundo, os EUA e Israel não aceitarão um Estado palestino que desenvolva livremente seu poderio militar. E, em caso de um conflito militar, Israel conta ainda com o apoio militar dos EUA, a maior potência militar do planeta.
Há também outras questões importantes, como o controle sobre recursos naturais existentes nas áreas ocupadas após 1967, como é especialmente o caso dos recursos hídricos.

Finalmente, uma coexistência pacífica entre os dois Estados seria impossível enquanto persistisse a existência do Estado sionista de Israel. Os sionistas têm mostrado reiteradamente, com a brutalidade de suas ações militares, um ódio racista que mal esconde o desejo de exterminar o povo palestino. As imagens do recente massacre ainda estão bem vivas.

A política de Obama

A idéia de que seja a única solução capaz de garantir a paz, esconde o fato de que o Estado de Israel se formou ao longo de seis décadas de gradual genocídio contra o povo palestino, pela usurpação permanente de territórios através da expulsão de milhões de palestinos de suas terras, com o aval e apoio decisivo dos EUA e demais potências imperialistas.

Muitos vêem Obama como um político progressista e democrático. A sua retórica contribui para alimentar essa ilusão, como o seu discurso em Cairo em junho passado. Obama é diferente de Bush, mas ao seu modo vem defendendo, na condição de presidente, os interesses do imperialismo norte-americano. Assim, ao mesmo tempo em que faz belos discursos pela paz, aprofunda a intervenção militar no Afeganistão.
O compromisso de Obama com a criação do Estado palestino é coerente com essa política. É uma resposta à situação política desfavorável na região. O ataque sionista à Faixa de Gaza chocou o mundo inteiro, desencadeando grandes protestos e manifestações contra Israel. E obrigando os governos árabes, em geral servis aos EUA, a condenar a agressão israelense, acuados pela revolta das populações do mundo árabe.
Obama quer estabilidade política no Oriente Médio, para assegurar os interesses norte-americanos. Assim, o papel dos EUA em eventuais negociações, não se limitará à mediação, mas fará prevalecer o peso dos interesses imperiais no novo mapa que vislumbram para a Palestina e o Oriente Médio. Isso significa que não permitirão um Estado palestino econômica, política e militarmente soberano, que ameace Israel e gere mais instabilidade e tensões em uma região marcada historicamente por turbulências, guerras e revoluções. E, crucialmente, significa também que qualquer resultado deverá manter o papel de Israel como cão de guarda de seus interesses na região.

As atuais tensões entre EUA e Israel não expressam antagonismo de interesses ou projetos, mas sim divergências táticas e de métodos. Quaisquer pressões dos EUA por concessões de Israel nas negociações terão como objetivo garantir que o Estado palestino não seja um simples bolsão de apartheid, para assegurar um resultado minimamente honroso para as organizações que estarão representando o povo palestino.

Tiro no pé

Uma participação palestina nas negociações é, portanto, um tiro no pé. O palco das negociações será foco de uma enorme pressão política para que se chegue a um acordo. E lembremos que qualquer negociação implica concessões das partes envolvidas. Neste caso, para Israel significa abdicar de algumas das suas “conquistas” que, na verdade, foram produtos de simples usurpação. Mas quanto aos palestinos a primeira e maior concessão será o reconhecimento e a legitimação do Estado sionista que surgiu e se fortaleceu graças à sua destruição, ao seu enfraquecimento e à expatriação e assassinato de milhões de mulheres e homens. Essa concessão é, na verdade, um pressuposto para que a própria negociação ocorra. Quanto às concessões posteriores, os representantes palestinos terão que decidir quais usurpações e atos de agressão sionistas estão dispostos a legitimar.

Participar de tal processo equivale a entrar voluntariamente na jaula do leão.

Um só Estado

A única política que pode garantir a paz é a criação de um único Estado laico e democrático, em toda a área da Palestina histórica, onde conviveriam palestinos e judeus. Esta é uma bandeira histórica do povo palestino, que foi abandonada no início dos anos 1990, quando a Organização pela Libertação da Palestina (OLP) iniciou as negociações com Israel que culminaram no trágico Acordo de Oslo em 1993. Yasser Arafat, então presidente da OLP, reconheceu o Estado de Israel em uma carta oficial enviada ao primeiro-ministro israelense Yitzhak Rabin.

Muitos dizem que é uma proposta inviável, mas é fato que palestinos e judeus conviveram na Palestina antes da fundação do Estado de Israel e da expulsão de cerca de 900 mil palestinos de suas terras. Durante décadas, a minoria de judeus (cerca de 15 mil) viveram na Palestina sem sofrer ataques ou perseguição. Hoje essa solução requer a derrota do sionismo e, portanto, do Estado terrorista de Israel.
É hora, portanto, de retomar essa bandeira e lutar por ela. E lembrar as valiosas lições do acordo de Oslo que enfraqueceram a luta do povo palestino e fortaleceram o sionismo.
Anúncios
Esse post foi publicado em Socialismo. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s